San Andrés: a bela ilha da Colômbia, hotel, passeios e dicas

Que lugar! Incrível, lindo, relaxante e acessível. San Andrés me surpreendeu muito. Conheço no Caribe apenas a República Dominicana, mas minha fiel escudeira vovó viajante conhece bem essa parte do mundo. E ela disse que nada ganharia dos azuis de Cancun. Pois bem, não é que no final da viagem, San Andrés ganhou a medalha de ouro, desbancando o tão famoso mar mexicano…

thumb_IMG_1092_1024

No avião, olhando da janela, lá no meio do mar azul surge um pontinho lá embaixo. Um conjunto formado por três ilhas (San Andrés, Povidencia e Santa Catalina) está ali, afastada 700 km da costa da Colômbia, país a quem pertence. Sua vizinha mais próxima é a Nicarágua que, volta e meia na história, já brigou para anexar estas ilhas.

San Andrés não parece pertencer ao mesmo país de Bogotá ou de Cartagena. Tirando a simpatia constante dos colombianos, a população, a arquitetura e a cultura local são bem diferentes das outras cidades que conhecemos. Os primeiros a chegarem por ali foram os holandeses em 1502, sendo expulsos um século depois pelos ingleses. Depois vieram os espanhóis que travaram algumas batalhas com os ingleses por estas terras paradisíacas. E é dessa mistura cultural, apimentada por africanos que também para lá se foram, que hoje se ouve o reggae e o inglês crioulo por aquelas bandas.

Como chegar?

A ilha realmente é bem distante e, por isso, somente com avião para chegar aqui. Nós usamos a Viva Colombia desde Cartagena (veja o post aqui). A Copa Airlines oferece vôos desde a Cidade do Panamá.

Taxas de Entrada

A ilha é uma reserva ambiental e, por isso, cobra uma taxa de entrada para manutenção. Independente do número de dias, a taxa é a mesma e custa COP 46.000. Nós pagamos a taxa em Cartagena, durante o check in para o vôo.

Ao chegar em San Andres passamos por uma espécie de imigração onde é preciso mostrar o papel da taxa paga. Guarde muito bem esse papel pois na saída da ilha será preciso, novamente, apresentar esta taxa.

Como sair do aeroporto?

O aeroporto é pequeno e muito perto do centro. Inclusive é possível ir andando, dependendo de onde está seu hotel.

Nós preferimos pegar um táxi que custou COP 20.000. A distância era pequena, mas o preço não é muito negociável.

A ilha

A ilha de San Andrés é relativamente grande e, por isso, é importante escolher onde ficar. A região mais ao norte, perto do aeroporto, é onde fica a grande maioria dos restaurantes, das lojas e do movimento. Hospedando-se ali é possível fazer tudo a pé.

sa

A ilha é livre de impostos e, por isso, há várias lojas espalhadas na rua principal (fechada para pedestres) no esquema duty free.

Câmbio

Nós sentimos um pouco de falta de opções para câmbio na ilha. O nosso hotel fazia conversão numa taxa muito ruim. Saí num dia a pé para procurar lojas de câmbio e descobri que só o banco nacional tinha permissão de fazer câmbio do dólar para peso colombiano. A taxa realmente é boa, mas a fila era enorme! Demorei quase uma hora para conseguir fazer câmbio.

Nosso hotel

Nós escolhemos o hotel GHL Hotel Sunrise. A localização era excelente pois podíamos ir andando para restaurantes e para a rua principal da cidade.

thumb_IMG_0022_1024

Nosso hotel visto da piscina

O preço também muito bom. O quarto era enorme, mas um pouco velho. Preferíamos ter pago um pouco a mais e ter ficado de frente para o mar. O café da manhã era bem farto.

O que mais gostamos foi que o hotel tem sua praia particular e uma piscina enorme em cima da praia. Uma delícia para o início ou fim dos passeios. Além disso, há uma agência no próprio hotel onde é possível reservar todos os passeios. Não chegamos a comparar os preços com outros lugares, mas gostamos bastante do atendimento.

A ilha é grande e sugiro, de verdade, se hospedar na parte central. A grande rede de hotel que domina a ilha é a Decameron, em esquema all inclusive. Quem se hospeda em um dos hotéis da rede, pode passar o dia nos outros. Nós achamos o nosso hotel com um custo muito melhor e fomos para lá mesmo. Além disso não vale esquema de all inclusive para uma ilha cheia de atrações como essa.

Passeios

A ilha oferece uma enormidade de passeios. Nós tivemos três dias completos na ilha e fizemos os passeios mais clássicos. Não deixe de comprar uma sapatilha que vende em todas as lojas para poder entrar no mar. As praias e ilhas são cheias de pedrinhas, algas e até ouriços.

Dia 1 – Alugamos um carrinho de golfe e demos a volta na ilha

thumb_GOPR1170_1024

Dia 2 – Visitamos a ilha de Johnny Cay + Noche Blanca

thumb_IMG_0978_1024

Dia 3 – Passeio para ver arraias e o aquário

thumb_G0091558_1024

O que gostaria muito de ter visitado era a ilha de Cayo Bolivar. Número 1 no Tripadvisor e recomendada por todos por sua beleza! O problema foi que duas semanas antes da nossa viagem, a ilha foi fechada. O turismo estava sendo feito de forma degradante e o governo resolveu fechar para estudar formas sustentáveis para o turismo.

Outro passeio que parece bem interessante é o Parasail onde somos puxados por um barco e “voamos” por cima do mar. Dada as cores daquele mar, esse passeio deve ser muito lindo!

thumb_IMG_0861_1024thumb_IMG_0826_1024

Nos próximos posts, detalharei os nossos passeios.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s