Cidade do México desbravada em 5 dias

O México sempre esteve nos meus top dez países a conhecer. Acho a cultura mexicana muito interessante, adoro a ideia de visitar um país com tanta história e, ainda mais, com tanta comida boa! E foi assim que, meio que por acaso, achei uma passagem da Smiles saindo da Cidade do México vindo para o Rio de Janeiro (com uma parada lá em Buenos Aires! kkk) e decidi que nossa viagem que já tinha passado pelo Panamá, por Cuba e Miami, terminaria com 5 dias na Cidade do México.

thumb_IMG_0254_1024-min

História

Onde hoje fica a capital mexicana, foi onde existiu a cidade de Tenochtitlán, a capital do império asteca (ou mexica, como se chamavam – astecas é um termo que veio dos americanos séculos depois). Os astecas foram uma civilização pré colombiana que desenvolveu a arquitetura, o cálculo e a escrita em seu cotidiano. Esta cidade era maior que qualquer cidade europeia à época!

Os astecas acreditavam que viria um Deus pelo mar. Foi por isso que quando os espanhóis chegaram, pelo mar, foram muito bem recebidos pelo povo nativo. Hernán Cortes foi o espanhol que chegou ao México. Depois de um tempo, começou uma batalha. A varíola vinda com os espanhóis provocou a derrota do povo asteca.

Enquanto foi dominado pelos espanhóis, o país se chamava Nova Espanha. A independência veio em 1821, o nome do país virou México em referência ao seu passado e a Cidade do México virou a segunda maior cidade do continente em termos de população (atrás apenas de São Paulo!).

Onde ficar

A Cidade do México é enorme e, por isso, existem diferentes possibilidades de bairros para se hospedar. Escolher onde ficar é bem importante para evitar muito trânsito ou não se sentir muito seguro.

O Centro Histórico ou Zócalo é onde estão os principais pontos turísticos da cidade. Há muitos policiais durante o dia. Mas, pela noite, há regiões mais vazias. Se ficar aqui, vale ler bem os comentários do hotel para não ficar numa área não muito agradável.

Outra opção é o Paseo de La Reforma, uma enorme avenida que passa por alguns bairros e possui vários hotéis, restaurantes e está relativamente perto de algumas atrações turísticas.

O bairro mais chique é o Polanco. Fomos jantar alguns dias por lá e, realmente, o bairro é bonito, com lojas chiques, arborizado. O ponto desfavorável é a distância dos pontos turísticos e não ter muita opção de metrô.

Outros dois bairros charmosos, animadinhos e agradáveis para se hospedar são Roma e Condesa. Eles ficam entre Polanco e o Centro sendo, por isso, mais centrais.

Por fim, falo da Zona Rosa, onde escolhemos nos hospedar. Ao lado dos bairros de Roma e Condesa, é uma região muito animada pela noite, com vários opções de bares e restaurantes. Muito central, ela é ótima para turistar. Único ponto é escolher um hotel em um lugar mais calmo e não muito barulhento. Nós ficamos no Ibis Styles México Zona Rosa e amamos! Preço ótimo, Ibis novinho, atendimento muito bom e ficava perto de uma rua fechada para carros e cheia de opções de comércio.

Tivemos uma conexão na Cidade do México vindo de Cuba para os EUA. Precisaríamos passar uma noite no aeroporto e reservamos um hotel cápsula muito legal – Izzzleep Aeropuerto Terminal 1. Você reserva uma cápsula literalmente e dentro dela tem TV, luzes de leitura e ar condicionado. O banheiro é compartilhado e muito limpo. Adoramos a experiência para passar o tempo no aeroporto.

Transporte

Chegamos na Cidade do México vindo de Miami através da companhia aérea low cost Interjet.

Quando chegamos no aeroporto, pegamos um táxi grande ali mesmo. Pela cidade, nós usamos o Uber. E para retornar ao aeroporto, pedimos um transfer grande para o hotel (estávamos com muitas malas vindas do enxoval em Miami).

Câmbio

Uma dica que tinha lido e comprovei foi trocar o dinheiro no aeroporto. Normalmente, esse é o pior lugar com o pior câmbio em uma cidade. Porém, o aeroporto da Cidade do México é enorme e tem tantas corretoras, que o câmbio se torna atrativo. Além de ser muito prático já resolver tudo por ali.

Roteiro 5 dias 

A Cidade do México é enorme e cheia de história. Aproveitamos muito bem nossa estadia por ali, mas ficaríamos mais tempo fácil fácil!

Dia 1

Foi o dia em que chegamos. Depois de descansarmos, resolvemos andar pela região do nosso hotel.

Passeamos pela rua de pedestres que levava ao Paseo de La Reforma por onde andamos, comemos e curtimos o clima da cidade mexicana.

Nesse primeiro dia escolhemos jantar no restaurante Azul Condesa, que amamos! O ambiente, o atendimento e a comida maravilhosa!

Dia 2

Nesse primeiro dia inteiro na cidade, pegamos um Uber e fomos até o Museu Nacional de Antropologia. O museu é muito bem organizado e o mais importante da cidade, contando a história dos povos pré colombianos. São dois andares divididos em várias salas.

thumb_IMG_0092_1024-min

O mais interessante fica no primeiro andar. Os maias e astecas estão muito bem representados e explicados no museu. Uma das peças de destaque é a Pedra do Sol, com 24 toneladas, que pertencia aos astecas e cuja finalidade pode ter sido um calendário ou um local para cerimônias religiosas.

thumb_IMG_0093_1024-min

Ficamos muito bem impressionadas com a organização do museu! Levamos uma manhã inteira por ali mas quem gosta de ver todos os detalhes, fica um dia inteiro fácil fácil.

Saímos do museu, atravessamos a rua e fomos curtir o Starbucks que fica dentro do Bosque de Chapultepec (o museu também fica no parque).

Depois fomos caminhar por esta enorme área verde da cidade. O lugar é muito agradável, além de ter barraquinhas vendendo de tudo. Resolvemos provar alguns petiscos mexicanos.

thumb_IMG_0094_1024-min

Vimos o monumento Altar a la Patria cujas torres representam 6 soldados que protegeram o Castelo de Chapultepec de uma invasão dos EUA em 1847 e, ao centro, a imagem feminina representa a pátria.

thumb_IMG_0101_1024-min

O Castelo hoje abriga o Museu Nacional de Historia. Ele fica no alto de uma colina e, o cansaço de uma grávida, não nos deu ânimo para subir até o alto.

thumb_IMG_0105_1024-min

Nesse noite fomos jantar no restaurante La Capital, em Condesa. Curtimos muito!

Dia 3

Nesse dia, resolvemos percorrer a cidade nos ônibus turísticos da Turibus e escolhemos fazer o circuito do Centro Histórico.

As primeiras paradas fomos apenas ouvindo as explicações. Decidimos descer no centro histórico de fato. Escolhemos o ponto do Hemiciclo a Juárez, um monumento que fica na Alameda Central para um dos maiores líderes mexicanos, Benito Juárez.

A Alameda é um parque e em um dos cantos fica o Museu Mural Diego Rivera. Diego é o famoso pintor mexicano super conhecido por ser o marido de Frida Kahlo. Este museu apresenta a famosa pintura “Sonho de uma tarde de domingo na Alameda Central” de 15 metros de comprimento. Nela, Diego retratou diferentes personalidades e figuras mexicanas e a graça é tentarmos achar todas elas, principalmente o próprio Diego e a Frida.

Descemos a Alameda passando por fontes e árvores e, no lado oposto, passamos pelo Palácio de Belas Artes. O edifício é muito belo mas não entramos. Na frente fica a Torre Latino-Americana que, com seus 181 metros, foi o prédio mais alto do país por um tempo. É possível subir para ter uma bela vista da cidade.

thumb_IMG_0115_1024-min

Descemos pela rua da torre, que é só para pedestres. No caminho passamos pela Casa do Azulejo, pelo Templo de São Francisco e pela bonita porta do Palacio de Cultura.

Enfim, chegamos ao Zócalo, o centro histórico da cidade. Aqui era o centro da cidade dos astecas. Quando os espanhóis chegaram, fizeram questão de destruir muita coisa ou de construir por cima.

Logo de cara, vimos a Catedral de 1573 que foi construída em cima de um templo asteca. Na verdade, a antiga cidade asteca, chamada de Tenochtitlán, foi construída em cima de um terreno instável, com um grande lago. Por causa disso, a cidade atual afundou 9 metros nos últimos 100 anos! Dentro da catedral fica um pêndulo que serve para predizer tremores na cidade.

Na mesma praça, está o grande Palacio Nacional, sede da Presidência da República. Ali estão alguns murais de Diego Rivera que podem ser contemplados gratuitamente.

thumb_IMG_0138_1024-min

Chegamos então às ruínas do Templo Mayor, o maior centro religioso dos astecas. Vale entrar no museu e acompanhar todas as histórias desse lugar mágico.

A cidade de Tenochtitlan começou em cima de uma ilhota que ficavam em um lago e para acessá-la existiam calçadas por cima do lago. A água potável chegava por aquedutos que compunham um sistema complexo que permitia navegar com canoas e regular o nível de água quando chovia! Uma maquete no museu mostra o esquema da cidade asteca.

A parte sagrada da cidade ficava ao centro, elevada em uma plataforma e contava com 78 templos, no qual se destaca o Templo Mayor. Este templo era considerado o umbigo do mundo e era de onde partiam as calçadas. O templo foi aumentando ao longo do tempo (sete etapas), para demonstrar o poder do império e em cima ficavam dois templos dedicados ao deus da chuva e da guerra. O auge da altura do templo foi quando os espanhóis chegaram, em 1521, com 45 metros (a catedral tem 60 metros de altura).

Há muita história para se descobrir e ler nos painéis super explicativos espalhados pelas ruínas. Plataformas permitem andar por dentro das ruínas e observar muitos detalhes dessa construção tão importante!

thumb_IMG_0189_1024-min

Voltamos ao ônibus e seguimos para o hotel.

Nesse dia fomos jantar no Porfirio, que é muito divertido, principalmente na sobremesa.

Dia 4

Nesse dia fizemos uma excursão para as pirâmides de Teotihuacán e para a Basílica de Guadalupe. Pedimos indicação no hotel de tour, mas não gostamos pois ele nos enviou mais um motorista do que guia. Queríamos alguém nos acompanhando pelas pirâmides e ele apenas nos deixou na porta. E ainda nos levou naqueles locais pega turista…

As pirâmides do Sol e da Lua são magníficas! Foram construídas por uma civilização pré asteca e por ali floresceu uma das maiores cidades no mundo no seu auge, em 500 d.C. Não se sabe ao certo muito sobre essa civilização.

thumb_IMG_0247_1024-min

A pirâmide do Sol é a terceira maior do mundo e a da Lua, um pouco menor. Entre elas ficava a Avenida dos Mortos. Os espanhóis não descobriram esse lugar, o que o manteve tão intacto.

thumb_IMG_0286_1024-minthumb_IMG_0297_1024-min

Subimos na pirâmide do Sol. Que vista e que sensação temos lá de cima…

thumb_IMG_0276_1024-minthumb_IMG_0272_1024-min

Depois de um bom tempo por ali, voltamos para a Cidade do México e fomos conhecer a Basílica de Guadalupe, padroeira do México e centro de peregrinação de mais de 20 milhões de fiéis todos os anos. Foi construída em cima do lugar onde acredita-se que a Virgem surgiu ao índio Juan Diego fazendo florescer rosas.

Temos a Basílica antiga e a mais moderna, onde são rezadas as missas todos os dias.

Nessa última noite em solo mexicano, nos despedimos dessa culinária maravilhosa comendo no Sonora Grill!

Dia 5

Era nosso último dia na Cidade do México e fomos em direção a região de Coyoacán, um bairro mais afastado do Centro.

Resolvemos pegar a linha verde do ônibus Turibus e fomos conhecendo essa região através das explicações.

O bairro de Coycoacán é onde vivem intelectuais e boêmios da cidade e, por ali, já moraram alguns famosos nacionais. A praça central do bairro é muito charmosa, com a  Catedral de um lado, uma bela praça e sorveterias famosas da região.

Dali fomos andando até o ponto que leva todos os turistas a este lugar: a Casa Museu de Frida Kahlo!

A casa já é linda com sua cor azul forte! O ideal é comprar ingresso online pois as filas são enormes.

IMG-20190414-WA0067

Frida é uma artista fascinante. Para começar era uma criança que sofreu com a poliomelite infantil e, quando adolescente, sofreu um gravíssimo acidente de ônibus. Com uma boa limitação física, Frida se tornou uma mulher brilhante. Viveu uma tórrida relação com Diego Rivera, seu marido.

O museu mostra algumas das obras de Frida, passa por seus cômodos, inclusive seu quarto e termina no quintal onde assistimos um interessante filme sobre a vida dela.

IMG-20190414-WA0074

Depois de umas boas horas por ali, esperamos o ônibus turístico e voltamos com ele pois nosso vôo nos esperava.

A Cidade do México nos surpreendeu muito positivamente. Ela não é uma cidade bonita mas é muito interessante. História e culinária são os destaques. E a vontade de desbravar mais o México só aumentou…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s